Equipamentos e Métodos para Avaliação de ruídos em áreas habitadas

Conforto acústico da comunidade

Show - Emissão de Ruídos em Áreas Habitadas

Sempre que falamos em avaliação de ruído, nossa memória puxa quase que instantaneamente para NR-15, NHO da Fundacentro e por aí vai, ou seja, nos direcionamos para a questão trabalhista, onde temos a realação ruído por tempo de exposição, porém para conforto acústico essa dicotomia não é aplicável.

Nos últimos tempos tivemos grandes avanços em relação ao conforto acústico, o que está diretamente relacionado aos processos de licenciamentos ambientais, que além da grande evolução em relação ao tema, também estão cada vez mais exigentes com empreendimentos ruidosos.

Existem normativas e procedimentos corretos para avaliação do conforto acústico em áreas habitadas, que delimitam diferentes valores de pressão sonora – inclusive – por local, como áreas habitacionais, hospitais, áreas industriais, entre outras, além do equipamento adequado para essa medição.

Antes de mais nada, devemos verificar se cada Estado ou Município possui legislação específica em relação ao conforto acústico, que pode determinar parâmetros ou métodos mais restritivos, e nessa artigo vamos analisar o que preconiza a Norma Brasileira (NBR), além de questões práticas que são se suma importância na hora de realizar esse tipo de levantamento.

Veremos os requisitos da ABNT NBR 10151 – Acústica – Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade – Procedimento, e ABNT NBR 10152 – Níveis de Ruído para conforto acústico. Lembrando que o Profissional Responsável deve possuir registro válido no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) e ter a respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida para a avaliação em epígrafe.

Equipamentos:

  • Deve-se utilizar medidor de pressão sonora (decibelímetro), com filtro de banda de oitava e sistema de regulagem para altura do equipamento (tripé ou similar);
  • O decibelímetro deve possuir Data-Logger para impressão de relatórios e demonstração das medições registradas;
  • O equipamento deve estar devidamente calibrado e com certificado de calibração válido emitido por laboratório certificado pela Rede Brasileira de Calibração (RBC) ou INMETRO.

Métodos;

Estabelecer o ruído de fundo (ruído ambiente) para cada local habitado, tanto para o dia quanto para a noite, e sem a influência dos equipamentos que geram esse ruído
Avaliar o ruído com a influência dos equipamentos, tanto para o dia quanto para a noite, para cada local habitado, com horário e duração das medições
Para ambientes externos:
  • A altura do microfone deve estar entre 1,20 - 1,50 m (acima do solo);
  • A distância do microfone, a qualquer superfície refletiva deve ser no mínimo 2 m;
  • Em medições realizadas próximas a edificações o microfone deve ser localizado a uma distância de 0,50 m em frente de uma janela aberta;
  • Não deverão ser efetuadas avaliações na ocorrência de precipitação (chuva).
Para ambientes internos:
  • Altura do microfone deve estar entre 1,20 - 1,50 m (do piso);
  • A distância mínima das paredes deve ser de 1 m;
  • A distância de janelas deve ser de 1,5 m;
  • Devem ser realizadas, no mínimo 03 medições separadas 0,5 m uma da outra ou uma medição a 1,5 m da janela. A média aritmética das três medições será o valor representativo do local.
  • As medições devem ser realizadas nas condições normais de utilização das janelas e portas (abertas e/ou fechadas), do recinto.
Deve-se estabelecer a Curva de avaliação de ruído (NC) por frequência avaliada e para cada local habitado reclamante na respectiva ação, conforme ABNT NBR 10152
Emitir relatório de ensaio conforme item 7 da ABNT NBR 10151

É importante também elaborar um mapa georreferenciado com a descrição detalhada dos pontos de medição para cada local habitado, pois isso facilitará na avaliação para o licencimento.

Devemos sempre emitir um parecer conclusivo, definindo se estes estão dentro nos níveis de aceitabilidade para conforto acústico, e principalmente, propor medidas de redução caso sejam necessárias.


André Vicente Quadrado
Eng. Sanitarista e Ambiental / Eng. de Segurança do Trabalho
CREA 211447356-2